SE VOCÊ PRECISA DE AJUDA ACESSE

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Midia e suicídio


MIDIA E SUICÍDIO
O suicídio da imigrante enfermeira na Grã-Bretanha que foi ludibriada pela mídia australiana traz algumas questões sérias para a sociedade. Sabemos desde Durkheim, no Capítulo sobre Imitação em O Suicídio (1897) que a comunicação de um suicídio pode em determinadas situações levar ao aumento do número de casos pela imitação um fenômeno que fala da comunicação e do contágio na sociedade.
Agora que a mídia leve um cidadão a cometer o suicídio, não por imitação, mas pela provocação de uma farsa, para obter informaçãoes médicas da família inglesa é novo, e surpreendentemente insano e anti-ético.
Adiante podem surgir com todos os avais médicos, aqueles que vão dizer que a imigrante enfermeira estava deprimida. Esta história sempre surge. Vejamos: existem milhares de pessoas com depressão no mundo, em tratamento ou não, mas apenas uma pequena parcela se suicida com a depressão como quadro inicial. Portanto acho que não cabe.
Agora como é possivel a empresa jornalística ter comprado a matéria conseguida com uma fraude, que foi enganar o outro para conseguir uma informação, que teria muitas repercussões como teve. E este outro era uma imigrante enfermeira...E tem aqueles que dizem que devemos afastar as concepções sociais do suicídio, ou seja, tentam passar por cima de Durkheim sem os equipamentos necessários, pelo menos não mostram.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Informação sobre a ASULAC


NOTICIAS DO IV CONGRESSO LATINO-AMERICANO DE PREVENÇÃO DO SUICÍDIO

O Congresso que se realizou entre 1 e 3 de novembro deste ano em Buenos Aires foi um sucesso no aprofundamento dos temas do pensamento latino-americano sobre a suicidologia e na articulação da ASULAC (Associação de Suicidologia Latino-Americana e do Caribe). Colegas da Argentina, Brasil, Chile, Peru, México e Uruguai estiveram presentes. Os temas se dividiram entre as doenças psiquiátricas, modelos de intervenção, epidemiologia, causas sociais, temas filosóficos e outros.
Foram apresentados os dados de mortalidade por suicídio entre os guaranis-kaiowás no Brasil, entre jovens na cidade de San Martin de los Andes, na Patagonia argentina, e na província de Jujuy, ao norte. Nesta província ocorrerá em maio de 2013 um Congresso Regional que estaremos participando. Houve um interesse especial em conhecer o trabalho do projeto ConViver, que foi desenvolvido na cidade do Rio de Janeiro, entre sobreviventes.
Um outro tema alarmante foi a comunicação do aumento do número de suicídios nas plataformas da PEMEx (Petróleo Mexicana) na Penísula de Yucatan. Por falar no México, a ASULAC definiu que o Quinto Congresso Latino-Americano ocorrerá naquele país, exatamente em Yucatan.
Também na reunião de coordenação da ASULAC foram criadas algumas comissões e a Coordenaçao da REBRAPS esta como membro da Comissão de Comunicação, e como tarefa para ser concluída em 2013 a elaboração de um Manual Latino-Americano sobre Mídia e Suicídio.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

NOTICIAS

Publicado em 2007 pelo CDC - Centro de Controle de Doenças dos EUA.

Suicide Trends and Characteristics Among Persons in the Guaraní Kaiowá and Ñandeva Communities --- Mato Grosso do Sul, Brazil, 2000--2005

Suicide rates among indigenous communities around the world vary substantially; in many nations these groups have the highest suicide risk of any identifiable cultural or ethnic group (1). Mato Grosso do Sul is a state in the southwest corner of Brazil that borders Bolivia and Paraguay. In 2004, the Guaraní, an indigenous ethnic group in the region (Figure 1), accounted for 2.6% of Mato Grosso do Sul's population (approximately 2,230,702).* During 1975--2000, the infant mortality rate decreased, and overall life expectancy increased in Mato Grosso do Sul; however, suicide increased as a proportion of overall mortality among the Kaiowá and Ñandeva communities of the Guaraní population (2). In 2000, the National Health Foundation (FUNASA) of the Brazilian Ministry of Health (BMH) initiated a study of suicide trends and characteristics in these two Guaraní communities; data were collected during 2000--2005, and epidemiologic assistance was provided by CDC. This report summarizes the results of that study, which suggested that the suicide rate among Guaraní was 19 times higher than the national rate in Brazil and 10 times higher than the rate in Mato Grosso do Sul and that suicides disproportionately affected Guaraní adolescents and young adults. To decrease suicide rates, BMH initiated research and prevention programs among the Guaraní, and the Guaraní initiated measures to increase their economic self-sufficiency.
Participants in the study were from the Kaiowá and Ñandeva communities of the Guaraní population, collectively referred to as Guaraní in this report. FUNASA medical teams determined cause of death using categories from the International Classification of Diseases and Related Health Problems, Tenth Revision (ICD-10) (3). Suicide was defined as a death resulting from purposely self-inflicted poisoning or injury corresponding to ICD-10 codes X60--X84 and Y87. Demographic data on Guaraní were drawn from routinely updated census information such as name, sex, date of birth, ethnicity, address, village, Special Indigenous Sanitary District (DSEI), and municipality. As part of an ongoing ethnographic study, an anthropologist obtained qualitative information on each death through interviews with persons who included political and spiritual leaders of the communities. Participants were asked questions about the decedent (e.g., observations of decedent's behavior) and the community (e.g., social or environmental conditions that might have been associated with the suicide). Among the Guaraní in 2000, information on age was available for all but seven cases of suicide, and information on sex was available for all but one case. Demographic data for deaths in other years were complete. Crude rates and age- and sex-specific rates were calculated per 100,000 population.
During 2000--2005, a total of 3,004 deaths were recorded in the Guaraní population in Mato Grasso do Sul, including 286 (9.5%) suicides; 190 (66.7%) of the suicide victims were male. All but three suicides were caused by suffocation (hanging); three were caused by pesticide ingestion. Annual suicide rates in the Guaraní ranged from 121.5 per 100,000 population for males in 2000 to 113.2 in 2005 and from 63.7 per 100,000 population for females in 2000 to 59.1 in 2005 (Figure 2). The ratio of male to female suicide rates was approximately 2 to 1. In 2005, the overall Guaraní suicide rate was 86.3 per 100,000 population.
By comparison, in 2004, the most recent year for which national and state data were available, suicides represented 1.5% of deaths in Mato Grosso do Sul and 0.8% of deaths in Brazil (4). Therefore, the proportion of deaths caused by suicide in the Guaraní population during 2000--2005 was approximately six times the proportion in Mato Grosso do Sul and 12 times the proportion overall in Brazil in 2004. The suicide rate overall in Mato Grosso do Sul was 8.6 per 100,000 population, and the national rate was 4.5. The Guaraní suicide rate in 2005 was approximately 10 times the rate in Mato Grosso do Sul and 19 times the national rate in 2004.
Persons aged <30 years accounted for 70% of the Guaraní population and 85% of the suicides. Among persons aged 20--29 years in 2005, the suicide rate was 159.9 per 100,000 population; among persons aged <20 years, suicide accounted for 28.0% of the deaths, and the suicide rate was 90.3 per 100,000 population.
Reported by: C Coloma, MD, PhD, United Nations Educational, Scientific, and Cultural Organization, FUNASA, Ministry of Health; JS Hoffman, PhD, VP Gawryszewski, PhD, Disease Control Coordination, State Health Dept of São Paulo, Brazil. MD Bennett, PhD, AE Crosby, MD, Div of Violence Prevention, National Center for Injury Prevention and Control, CDC.

Editorial Note:

The findings in this report indicate that youths and young adults in Guaraní communities had higher suicide rates than older members of their population and that the Guaraní suicide rate overall was higher than the rates in Mato Grosso do Sul and Brazil overall. In the United States, suicide rates among some American Indian and Alaska Native (AI/AN) indigenous populations have been similar to those of the overall U.S. population, whereas in certain other AI/AN populations, rates have been seven times higher than the U.S. rate overall (5).
Historically, the highest suicide rate nationally in Brazil has been among those aged >65 years (6). However, among the Guaraní, the highest rates were among adolescents and young adults. Among Guaraní aged 20--29 years, the 2005 suicide rate was 159.9 per 100,000 population, compared with 6.1 for the same age group nationwide in 2004 (4).
Previous studies have identified multiple factors that might be associated with suicidal behaviors among the Guaraní. These factors, some resulting from colonization, include rapid sociocultural change, disturbances in traditional social life, progressive dismantling of extended family structure, and forced relocation to reservations (7). Exposure to different and conflicting cultures, perspectives, and belief systems exacerbates challenges faced by these communities and contributes to intergenerational conflict. Studies conducted among other indigenous communities indicate that youths often perceive themselves as marginalized from mainstream society and their own communities (7), resulting in a sense of social isolation that might contribute to an increased rate of suicide.
The findings in this report are subject to at least four limitations. First, counting the number of suicides based on death certificates might underestimate the true number because of misclassification of cause of death (8). Many decedents were buried privately by their families; in 2000, 16.5% of deaths among the Guaraní occurred without medical attention or certification by a coroner or medical examiner, so the cause of death could not be established. In 2001, DSEI began providing financial support for burials, thereby increasing death registrations, and by 2003, cause of death could not be established for only 5.7% of deaths. Second, because data were not specifically collected at the municipal or national level, suicide rates of indigenous and nonindigenous populations could not be compared. Third, temporal data were limited and insufficient for comprehensive analysis. Finally, the small absolute number of suicides in the Guaraní limited the detail of this analysis.
Suicide is a complex, multifaceted problem influenced by risk factors among persons, families, communities, and societies. Studies on indigenous populations in other nations have found that community-based, comprehensive suicide-prevention programs are the most promising (9). Such programs vary, but strategies typically include counseling, support groups, crisis response, recreational activities, volunteer support systems, and cultural-heritage education. For example, a suicide-prevention program for an American Indian community in the United States included a comprehensive strategy involving schools, community outreach to persons at risk for suicide and their families, improved infrastructure of local mental health services, and interventions addressing common suicide risk factors in the community (e.g., alcohol abuse, family violence, and unemployment) (10).
To better address health disparities among indigenous communities, BMH established DSEI and placed multidisciplinary indigenous health-care teams in municipal governments. These teams periodically visit area villages and, with the support of trained local residents, provide health care. In 2000, FUNASA began a mental health initiative to address alcohol abuse and suicidal behaviors in indigenous ethnic communities. This initiative involved developing the Monitoring Center for Indigenous Mental Health, which includes physicians, behavioral scientists, social workers, and linguists. The center supports research and encourages a multidisciplinary approach to assessing and preventing suicidal behavior. Its projects are developed with community participation and designed so that they can be sustained by the local community. In addition, the Guaraní have been organizing to recover, through court challenges and legislation, most of their former territories; this is expected to increase their economic self-sufficiency and reduce poverty and unemployment, improvements associated with decreased risk for suicide and suicidal behaviors (9).

References

  1. Leenaars AA. Suicide among indigenous peoples: introduction and call to action. Arch Suicide Res 2006;10:103--15.
  2. Coloma C, Hoffman JS, Crosby A. Suicide among Guaraní Kaiowá and Ñandeva youth in Mato Grasso do Sul, Brazil. Arch Suicide Res 2006;10:191--207.
  3. World Health Organization. International statistical classification of diseases and related health problems, 10th rev. 2nd ed. (ICD-10). Geneva, Switzerland: World Health Organization; 2004.
  4. Brazil Ministry of Health. Information mortality system (DATASUS), Ministry of Health. Available at http://www.datasus.gov.br .
  5. CDC. Injury mortality among American Indian and Alaska Native children and youth---United States, 1989--1998. MMWR 2003;52: 697--701.
  6. Mello-Santos C, Bertolote JM, Wang YP. Epidemiology of suicide in Brazil (1980--2000): characterization of age and gender rates of suicide. Rev Bras Psiquiatr 2005;27:131--4.
  7. Hamlin CL, Brym RJ. The return of the native: a cultural and psychological critique of Durkheim's suicide based on the Guaraní-Kaiowá of Southwestern Brazil. Sociological Theory 2006;24:42--57.
  8. Mathers CD, Fat DM, Inoue M, et al. Counting the dead and what they died from: an assessment of the global status of cause of death data. Bull World Health Organ 2006;83:171--7.
  9. Advisory Group on Suicide Prevention. Acting on what we know: preventing youth suicide in first nations. Ottawa, Canada: Health Canada and the Assembly of First Nations; 2003.
  10. May PA, Serna P, Hurt L, DeBruyn LM. Outcome evaluation of a public health approach to suicide prevention in an American Indian tribal nation. Am J Pub Health 2005;95:1238--44.
* Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Population estimates for Brazilian municipalities; 2004. Available at http://www.ibge.gov.br/english/estatistica/populacao/estimativa2004/default.shtm .
Figure 1

Figure 1
Figure 2

Figure 2

NEWS ABOUT THE GUARANIS KAIOWAS


Since 1986, 863 young Brazilian Natives of the Guarani-Kaiowá ethnicity committed suicide in the Dourados reservation, in the state of Mato Grosso do Sul, right in the heart of the country, an area surrounded by armed landowners that claim the land. The majority of the kids that died was between 12 and 24 years old and chose to hang themselves or to ingest pesticides.
The numbers are particularly high if you consider the size of the Guarani-Kaiowá population: 31 thousand, according to Funai, the national agency for Native affairs.
The suicides are partly a consequence of the violent environment where this kids live. According to Conselho Indigenista Missionário, one of the main non-profits dealing with Native rights in the country, the murder rate in Dourados is 145 per 100 thousand people. In Iraq it is 93 per 100 thousand.
The death toll is bound to grow soon – the Federal Justice decided that a group of 170 Natives living in the municipality of Iguatemi, by the Hovy river, will have to leave the land. Their answer: a suicide pact. If they are effectively expelled, they will kill themselves.
This video in English, with a few interviews, was released today. It sums up the drama:

terça-feira, 23 de outubro de 2012

NOTÍCIAS

SOBRE O SUICÍDIO DOS GUARANIS KAIOWÁS

Enquanto a taxa de mortalidade por suicídio no Brasil entre os anos de 2005-2008 foi de cerca de 4,6 por 100.000 habitantes, no Estado do Mato Grosso do Sul a taxa foi de 14,4. Na região de Dourados, sul do Estado, onde vivem as populações guaranis as taxas variaram entre 31 a 63 por 100.000 habitantes. Estes dados mostram muito claramente que enquanto a taxa de suicídio baixa no Brasil coloca o tema fora de visibilidade, ela esconde a grandeza do problema em populações específicas como os guaranis kaiowás que neste fim de semana enviaram um documento às autoridades brasileiras informando que iam realizar um suicídio coletivo.
Veja o texto abaixo sobre o assunto:

http://www.itaucultural.org.br/bcodemidias/001072.pdf

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Indios guaranis kaiowas anunciam suicídio coletivo no Mato Grosso do Sul


Cento e setenta guaranis kaiowas anunciaram neste fim de semana em Mato Grosso do Sul um suicídio coletivo se forem expulsos de suas terras. Ha dezenas de anos esta etnia tem a maior taxa de suicídio do Brasil impactando sobre a altissima taxa de suicídios no município de Dourados, naquele Estado. Vários estudos já foram realizados entre esta etnia e a relação do suicídio com a perda de suas terras originais e a impossibilidade de manterem  suas tradições é parte do problema. As altas taxas atingem principalmente jovens. Nada tem sido feito para impedir este genocídio e a situação agora chegou em um ponto crítico. Veja a matéria: 

http://dialogospoliticos.wordpress.com/2012/10/20/indios-guarani-kaiowa-anunciam-suicidio-coletivo-no-mato-grosso-do-sul/

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Epidemiologia das causas externas no Brasil:mortalidade por acidentes e violências 2000-2009, Ministério da Saúde,2010.

Encontre nesta publicação um levantamento e análise de dados de violências, incluindo os suicídios.
Epidemiologia das causas externas no Brasil: mortalidade por acidentes e violências 2000-2009, Ministério da Saúde, 2010.
http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/cap_11_saude_brasil_2010.pdf

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Centro de Valorização da Vida celebra 50 anos de trabalho


O Centro de Valorização da Vida (CVV) celebra neste ano seu Jubileu de Ouro (50 anos) e realiza em São Paulo o II Simpósio Internacional de Prevenção do Suicídio 
Há 50 anos o Centro de Valorização da Vida (CVV) realiza um trabalho de apoio emocional, auxiliando as pessoas angustiadas, tristes ou que se sentem solitárias. Como parte das comemorações, a ONG lança o livro “CVV, Como Vai Você” publicado pela editora Aliança, que retrata o trabalho da instituição na prevenção ao suicídio ao longo de seus 50 anos de existência.

Fundado em 1962 por um grupo de 17 pessoas que se uniram para ouvir e ajudar pessoas que não conheciam, mas que estavam precisando de ajuda, o CVV já reuniu em programas de formação mais de 30 mil pessoas, das quais 2 mil atuam como voluntários atualmente. Hoje, passados 50 anos daquele primeiro plantão ocorrido em março de 1962, em uma pequena sala com um telefone emprestado, os postos do CVV espalhados por mais de 70 cidades atendem anualmente 1 milhão de ligações de pessoas que precisam de ajuda e, em alguns momentos, pensam em colocar um fim a sua vida.

O CVV é um exemplo significativo de como uma organização da sociedade tem um papel importante na condução de uma atividade de interesse público e  se mantem sustentável por tão longo tempo. Foi a única instituição da sociedade que participou como convidada do Comitê que elaborou a proposta da Estratégia Nacional de Prevenção do Suicídio coordenada pelo Ministério da saúde , no ano de 2006. Parabéns a todos e todas que nestes 50 anos colaboraram para garantir a sustentatibilidade deste trabalho de  uma forma eficiente e efetiva.
II Simpósio
Internacional de Prevenção do Suicídio

19 de outubro de 2012

Em comemoração aos seus 50 anos de atividades ininterruptas, o Centro de Valorização da Vida realiza o II Simpósio Internacional de Prevenção do Suicídio:

Local: Hotel Novotel São Paulo Jaraguá Convention
                                   Rua Martins Fontes, 71 - Centro - São Paulo, SP

Data:               19.10.12 - das 8 às 18h15

Inscrições:      no local, ou pelo email CVV@advicecc.com  -  entrada gratuita

Agenda:

  8:00 às   8:30 -            credenciamento

  8:30 às   8:45 -            Abertura    

  8:45 às   9:30 -            Bases do trabalho voluntário de prevenção do suicídio
                                        Jacques Conchon

  9:30 às 10:00 -            Depoimento

10:00 às 10:30 -            intervalo

10:30 às 12:30 -            Demanda pelo serviço de apoio
                                         Dr. Neury José Botega
                                         Dra. Blanca Susana Guevara Werlang

12:30 às 14:00 -            almoço

14:00 às 16:00 -            Disponibilidade de apoio voluntário para Prevenção do Suicídio
                                         Europa - Liz Try
                                         Estados Unidos - Gary Beckmann
                                         Nova Zelândia - Peter Barker
                                         Brasil - CVV - Alankardec Gonzalez

16:00 às 16:30 -            intervalo

16:30 às 18:00 -            Perspectivas para o futuro
                                         Dr. Brian Mishara

18:00 às 18:15 -            Encerramento


Mais informações: secretaria@cvv.org.br
Advice Comunicação Corporativa
Renan Pereira / Fernanda Dabori
Tel: (11) 5103-2779 / www.advicecc.com



Palestrantes

Alankardec Gonzalez

Médico psiquiatra, membro do Conselho Diretor do Centro de Valorização da Vida. 

Dra. Blanca Susana Guevara Werlang

Psicóloga Clínica. Doutora em Ciências Médicas pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professora Titular da PUCRS - Faculdade de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Foi membro do Grupo de Trabalho para implantar a Estratégia Nacional de Prevenção ao Suicídio (Ministério da Saúde/Brasil).

Dr. Brian Mishara

Professor de Psicologia e Diretor do Centro para pesquisa e intervenção em suicídio e eutanásia (CRISE) da Universidade de Quebec, em Montreal, Canadá. Foi presidente do IASP (Associação Internacional para Prevenção do Suicídio), entidade ligada à Organização Mundial da Saúde. Publicou 6 livros nas áreas de suicidologia, gerontologia, avaliação de programas de prevenção do suicídio, eutanásia e estudos de promoção da saúde mental de crianças. Foi presidente da Associação Canadense de Prevenção do Suicídio e Diretor de Partnership for Children, entidade inglesa que promove o desenvolvimento de habilidades emocionais em crianças.

Gary Beckmann

Engenheiro especialista em softwares para uso em neurocirurgias. É voluntário em serviços de apoio de prevenção do suicídio há 30 anos, tendo sido diretor do Befrienders de Viena, Áustria. Atualmente é diretor do board do Samaritans de Boston, USA. Foi coordenador regional da América do Norte na estruturação do Befrienders Worldwide, no qual assumiu a coordenação geral dos coordenadores regionais.

Jacques Conchon

Um dos fundadores do Centro de Valorização da Vida, foi voluntário do CVV por 25 anos.

Liz Try

Empresária na área de alimentação, é voluntária do Samaritans, Reino Unido, há 30 anos, onde ocupou a vice presidência. Foi presidente do Befrienders Worldwide Steering Group, órgão de transição que estruturou o atual BW (Befrienders Worldwide). É diretora do Hampshire Probation Trust e do The Forgiveness Project, que promovem suporte, reabilitação, resolução de conflitos e reconciliação de apenados com suas vítimas.

Dr. Neury José Botega

É psiquiatra, professor titular da Unicamp. Participou da equipe que elaborou a estratégia nacional da prevenção do suicídio, atuou como assessor do Ministério da Saúde  e da Organização Mundial da Saúde em prevenção do suicídio, com experiência clínica, pesquisas e publicações científicas na área.

Peter Barker

Empresário na área de geologia. Trabalha há 27 anos em entidades do 3º setor, inicialmente no escotismo. Ocupou cargos de liderança no Samaritans de Wellington, Nova Zelândia e foi coordenador regional da Oceania na estruturação de Befrienders Worldwide, do qual é membro do board e é secretário executivo.


Moderadores

Dra. Maria Julia Kovács

Professora Livre Docente do Instituto de Psicologia da USP - Universidade de São Paulo. Coordenadora do Laboratório de Estudos sobre a Morte

Prof Dr Teng Chei Tung

Médico supervisor do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP). Coordenador do Serviço de Interconsultas do IPq-HCFMUSP (Instituto de Psiquiatria do HCFMUSP). Doutorado em Medicina área de Psiquiatria - FMUSP. Presidente da Comissão Científica da ABRATA - Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtorno Afetivo. Diretor Clínico da CLIAD - Clinica de Ansiedade e Depressão


quinta-feira, 6 de setembro de 2012

President Obama orders Veterans Affairs to expand suicide prevention services



By Rebecca Ruiz, NBC News

President Obama issued an executive order last Friday tasking the Department of Veterans Affairs to expand its suicide prevention and mental health services.

Under the order, VA is expected to increase its veteran crisis line by 50 percent by the end of the year; ensure that a veteran in distress is given access to a trained mental health worker in 24 hours or less; and launch a national 12-month suicide prevention campaign to educate veterans about available mental health services.

The order reinforces some initiatives that VA has already undertaken.

 In April, VA announced that it would hire 1,600 mental health clinicians to meet surging demand, and the order instructs the agency to use loan repayment programs and scholarships, among other strategies, to recruit those professionals by June 2013.

The order also asks VA to create at least 15 pilot projects in partnership with the Department of Health and Human Services to address unfilled mental health staff vacancies and long wait times. The pilots, to be created within 180 days, will test the effectiveness of partnerships with community and rural health clinics as well as substance abuse treatment centers. 

COMENTÁRIO: Esta notícia publicada nesta semana pela NBC News demonstra a importância que o Governo Americano, através do seu Departamento de Saúde dá ao problema do suicídio em sua sociedade. Na verdade a taxa de suicídio entre os veteranos de guerra é alta, mas existem nas diversas sociedades populações igualmente de risco. Entre nós podemos citar a população indígena guaranis-kaiowas do Mato Grosso do Sul. A taxa de suicídio entre jovens desta população é considerada altíssima, pelos padrões da Organização Mundial de Saúde. A grande diferença é que a sociedade americana pressionou o Congresso a considerar o suicídio como um problema de saúde pública e com isto garantiu recursos (grants) orçamentários para projetos de prevenção do suicídio.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

PARTICIPE DA REBRAPS



A Rede Brasileira de Prevenção do Suicídio será construída com a participação de instituições e profissionais interessados em trocar informações sobre o tema. Neste momento participar da Rede é entrar no blog e começar a interagir com ele. Este é o compromisso. Estamos abertos aos comentários e sugestões.

Se você quer participar da REBRAPS envie um e-mail para rebraps@gmail.com comunicando seu interesse e fornecendo informações do seu trabalho institucional ou profissional. 
Se preferir comentários por e-mail, em vez do blog,  envie para rebraps@gmail.com.
Se você ou sua instituição tiver um site na internet envie. 
Muito Obrigado.
Carlos Felipe D' Oliveira, MD





quinta-feira, 23 de agosto de 2012

4º SEMINÁRIO DE PREVENÇÃO DO SUICÍDIO NA UERJ




4º SEMINÁRIO DE PREVENÇÃO DO SUICÍDIO NA UERJ
    A prevenção do suicídio através do mundo: fortalecendo os fatores de proteção e incutindo a esperança.

DATA: 10 e11 de setembro 2012
LOCAL: Capela Ecumênica – UERJ
Rua São Francisco Xavier, 524
Maracanã - Rio de Janeiro


PROGRAMAÇÃO PRELIMINAR

1º  DIA - MANHÃ

9:00h às 9:30h- Abertura – Profa. Maria Christina Paixão Maioli (UERJ)
                                          Coral do Meio Dia (UERJ)

9:30h às 11:00h – “Prevenção do Suicídio através do mundo: fortalecendo os fatores protetores e incutindo    a esperança”.

Profa Dra. Blanca Suzana Guevara Werlang (PUCRS)

11:00h às 11:15h – Intervalo para o café

11:15h às 12:30h – Mesa Redonda com o tema: “As diferentes abordagens psicológicas para a prevenção do suicídio”.

Moderador: A confirmar

Palestrantes:
. Profa Selena Cavarelli (UFRJ)- Psicanálise
. Profa Eliane Falcone (Instituto de Psicologia/UERJ) – Terapia Cognitiva Comportamental
. Profa Marizete Rodrigues (Instituto Logos) – Psicoterapia Existencial Humanista

12:30h às 13:50h – Intervalo para Almoço


1º  DIA - TARDE

13:50h às 14:00 – Jingle do CVV: “Conheça a CVV em 2 minutos”

14:00h às 15:30h – Mesa Redonda com o tema: “Acolhimento ao alunos universitários: uma forma de prevenção”.

Moderador: Ademir Pacheli (UERJ)

Palestrantes:
. Profa Rosi Mary Bergeron (USA/WOU)- Programa de acolhida aos estudantes na universidade de Oregon
. Profa Celia Pereira Kestenberg (UERJ) – Acolhida ao estudante de enfermagem da UERJ
. Profa Sandra Torres Serra (PAPE/UERJ) - Programa de Apoio Psicopedagógico ao Estudante (PAPE) da Faculdade de Ciências Médicas da UERJ.

15:30h às 15:45h intervalo entre as mesas

15:45h às 17:15h– Mesa redonda com o tema: “Estabelecendo barreiras para a prevenção do suicídio”
Moderador: Luiz Augusto Brites Villano (UERJ)

Palestrantes:
. Profa Dra. Alexandra Tsallis (IP/UERJ) – Projeto Barreira Humana.
. Profa Karina Okajima Fukumitsu (UPM/SP) – Processo de luto do filho da pessoa que cometeu o suicídio: reflexões sobre prevenção.
. André Carvalho Netto (UERJ/HUPE)

A partir de 17:30h -
Coquetel
Apresentação do Grupo “Harmonia Enlouquece”
Lançamento dos livros:
. “CVV – Como Vai Você” – Autor Dalmo Duque-dos-Santos
. “Trocando Seis Por Meia Dúzia: Suicídio como emergência do Rio de Janeiro” Org. Carlos Estellita-Lins

2º DIA - MANHÃ

09:00 às 12:30h - Oficina do Centro de Valorização da Vida ( Auditório 11)
• Abertura: Moiza Margarete (Coordenadora do posto Maracanã) e membros do CVV
• Palestra: Sr. Luiz de Oliveira Mondim (CVV/Web) – “O futuro da prevenção de suicídio no Brasil”
• Cine – Debate: Tema – “Lembranças”

MINI CURSOS
(APENAS PARA INSCRITOS NO SEMINÁRIO)

. Mini Curso 1:
Trabalhando com Grupos
Professor: Profa. Glória Maria Silva (UERJ) – Psicóloga
Carga Horária: 3h
Vagas: 25
Público-alvo: profissionais de saúde inclusive universitários: enfermagem, medicina, psicologia, nutrição, serviço social, TO, fisioterapia;
Local: Centro de Treinamento da SRH
Horário:09:30 às 12:30h
Ementa: O curso aborda os principais aspectos gerais e fenômenos específicos no trabalho com grupo.

. Mini Curso 2:
Carícia: a importância do reconhecimento essencial
Professor: Prof. Jorge Rogério Fagim (UERJ)– Médico e Analista Transacional clínico
Carga Horária: 3h
Vagas: 25
Público-alvo: Pessoas interessadas na Análise Transacional e no autoconhecimento
Local: Centro de Treinamento da SRH
Horário: 9:30 às 12:30

. Mini Curso 3:
Avaliação do risco de suicídio: entrevista, escalas, intervenções.
Professor: Carlos Estellita –Lins (FIOCRUZ/ICICT)
Carga Horária: 3h
Vagas: 25
Público- alvo: profissionais de saúde inclusive universitários: enfermagem, medicina, psicologia, nutrição, serviço social, TO e fisioterapia
Local: Centro de Treinamento da SRH
Horário: 9:30 às 12:30h
Ementa: O curso busca expor os princípios de uma correta avaliação de pessoas em risco de suicídio utilizando critérios baseados em evidência. Serão discutidos aspectos cardinais na avaliação diagnóstica e de crise como a condução da entrevista, a utilização de escalas de risco de suicídio e as intervenções necessárias.

12:30h às 14:00h – INTERVALO PARA ALMOÇO


2º  DIA - TARDE

. Mini Curso 4:
Intervenção terapêutica com usuários em risco de suicídio: Acompanhamento terapêutico e Psicoterapia
Professora: Verônica Miranda (UERJ) e Rosi Mary Bergeron (USA/WOU)
Carga Horária: 3h
Vagas: 25
Público- alvo: profissionais de saúde inclusive universitários: enfermagem, medicina, psicologia, nutrição, serviço social, TO, fisioterapia;
Local: Centro de Treinamento da SRH
Horário: 14:00 às 17:00 h
Ementa: O curso visa mostrar a importância da interdisciplinaridade no risco de suicídio. E abordar o procedimento de intervenções terapêuticas na psicoterapia. Como também o protocolo de Acompanhamento terapêutico (rotina, anamnese, objetivos reintegrativos e a avaliação do risco).

COMISSÃO TÉCNICA E CIENTÍFICA

. Deise Sanches (UERJ) - Enfermeira
. Glória Maria Silva (UERJ) - Psicóloga
. Isadora Ramos (UERJ) - Psicóloga
. Jorge Fagim (UERJ) - Médico
. Marcelo Abreu (UERJ) – Pedagogo voluntário
. Maria Márcia Lopes Carvalho (UERJ) – Estagiária de Psicologia
. Verônica Miranda de Oliveira (UERJ) - Psicóloga
. Coordenação Geral: Profa. Dra. Maria Christina Paixão Maioli
. Secretária: Guacira Dias de Oliveira (UERJ)

INFORMAÇÕES E CONTATOS

DATA: 10 e11/09/2012
LOCAL: Capela Ecumênica – UERJ
Endereço NACE: Rua São Francisco Xavier, 524, Bl E- 2º andar – Sala 2009, Maracanã. Rio de Janeiro
e-mail: uerjpelavida2012@gmail.com
Tel/Fax: (21) 2334-0987/ 2334-0983.



                    INSCRIÇÕES DO SEMINÁRIO DEVEM SER FEITAS POR E-MAIL
AS INSCRIÇÕES DOS CURSOS SERÃO FEITAS DURANTE O EVENTO

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

IV CONGRESSO LATINO AMERICANO DE PREVENÇÃO DO SUICÍDIO



Organizado pelo Centro de Assistência ao Suicídio de Buenos Aires e por Último Recurso de Montevideo, vai se realizar entre os dias 1 e 3 de novembro em Buenos Aires o IV Congresso Latino Americano de Prevenção do Suicídio. O evento tem o apoio da ASULAC (Associação de Suicidologia de America Latina e Caribe) e IASP (Associação Internacional de Prevenção do Suicídio).
Inscrições e normas de apresentação de trabalho em:  http://www.casbuenosaires.com.ar/Content.aspx?Id=24670 



segunda-feira, 6 de agosto de 2012

LANÇAMENTO DO PROGRAMA DISTRITAL DE BRASÍLIA DE PREVENÇÃO DO SUICÍDIO




No dia 10 de setembro, Dia Mundial de Prevenção do Suicídio, a Diretoria de Saúde Mental da Secretaria de Saúde do Distrito Federal lança o Programa Distrital de Prevenção do Suicídio, com o apoio da Universidade de Brasília e da Coordenação de Saúde Mental do Ministério da Saúde. Durante toda a semana ocorrerão atividades relacionadas ao tema com objetivo de dar mais visibilidade a este problema de saúde pública. Esta iniciativa é muito importante e esperamos que tenha o apoio necessário à sua sustentabilidade. A REBRAPS  estará apresentando o processo de implantação das diretrizes da Estrategia Nacional de Prevenção do Suicídio.

Carlos Felipe D'Oliveira,MD




Seminário: Le réseau à l' épreuve de la crise suicidaire chez l' adolescent



O Centro de Estudos e de Prevenção do Suicídio do Hospital Universitário de Genebra  realiza no dia 11 de setembro em Genebra, na Semana da Prevenção do Suicídio um seminário chamado: Le réseau à l' épreuve de la crise suicidaire chez l'adolescent. O Centro aborda a questão do suicídio nos adolescentes no contexto da inserção do problema como uma questão social.

      http://ceps.hug-ge.ch/qui_sommes_nous/ceps.html

domingo, 5 de agosto de 2012

REDE BRASILEIRA DE PREVENÇÃO DO SUICIDIO




Rede Brasileira de Prevenção do Suicídio (REBRAPS) tem a finalidade de  apoiar as atividades estabelecidas em 2006 na Estratégia Nacional de Prevenção do Suicídio, através de um processo articulado entre instituições, organizações, profissionais e cidadãos interessados em tratar deste importante tema de saúde pública.
Esta proposta está apresentada, inicialmente,  através de um instrumento de comunicação(blog) que permite um intercâmbio de informações de interesse dos seus participantes e será coordenado pelo Dr. Carlos Felipe Almeida D Oliveira, médico, que trabalha com o tema da prevenção do suicídio desde 1995, inicialmente na área técnica de saúde mental da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, e no Núcleo de Atenção ao Suicídio no Instituto Philippe Pinel, nesta mesma cidade, e posteriormente na área técnica de saúde mental do Ministério da Saúde, onde elaborou e coordenou, junto com várias instituições, a Estratégia Nacional de Prevenção do Suicídio, assim como organizou o apoio a diversos projetos nesta área.
Também foi o primeiro representante no Brasil da Associação internacional de Prevenção do Suicídio de 2006 até 2009.
Desde o lançamento desta estrategia em 2006 ocorreu um aumento na comunicação, visibilidade e interesse no tema e a Rede tem a missão de estimular estes processos, tanto a nível nacional quanto junto a parceiros internacionais.

Esta Rede não tem interesses lucrativos e todo o material aqui apresentado é de domínio público