SE VOCÊ PRECISA DE AJUDA ACESSE

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Midia e suicídio


MIDIA E SUICÍDIO
O suicídio da imigrante enfermeira na Grã-Bretanha que foi ludibriada pela mídia australiana traz algumas questões sérias para a sociedade. Sabemos desde Durkheim, no Capítulo sobre Imitação em O Suicídio (1897) que a comunicação de um suicídio pode em determinadas situações levar ao aumento do número de casos pela imitação um fenômeno que fala da comunicação e do contágio na sociedade.
Agora que a mídia leve um cidadão a cometer o suicídio, não por imitação, mas pela provocação de uma farsa, para obter informaçãoes médicas da família inglesa é novo, e surpreendentemente insano e anti-ético.
Adiante podem surgir com todos os avais médicos, aqueles que vão dizer que a imigrante enfermeira estava deprimida. Esta história sempre surge. Vejamos: existem milhares de pessoas com depressão no mundo, em tratamento ou não, mas apenas uma pequena parcela se suicida com a depressão como quadro inicial. Portanto acho que não cabe.
Agora como é possivel a empresa jornalística ter comprado a matéria conseguida com uma fraude, que foi enganar o outro para conseguir uma informação, que teria muitas repercussões como teve. E este outro era uma imigrante enfermeira...E tem aqueles que dizem que devemos afastar as concepções sociais do suicídio, ou seja, tentam passar por cima de Durkheim sem os equipamentos necessários, pelo menos não mostram.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Informação sobre a ASULAC


NOTICIAS DO IV CONGRESSO LATINO-AMERICANO DE PREVENÇÃO DO SUICÍDIO

O Congresso que se realizou entre 1 e 3 de novembro deste ano em Buenos Aires foi um sucesso no aprofundamento dos temas do pensamento latino-americano sobre a suicidologia e na articulação da ASULAC (Associação de Suicidologia Latino-Americana e do Caribe). Colegas da Argentina, Brasil, Chile, Peru, México e Uruguai estiveram presentes. Os temas se dividiram entre as doenças psiquiátricas, modelos de intervenção, epidemiologia, causas sociais, temas filosóficos e outros.
Foram apresentados os dados de mortalidade por suicídio entre os guaranis-kaiowás no Brasil, entre jovens na cidade de San Martin de los Andes, na Patagonia argentina, e na província de Jujuy, ao norte. Nesta província ocorrerá em maio de 2013 um Congresso Regional que estaremos participando. Houve um interesse especial em conhecer o trabalho do projeto ConViver, que foi desenvolvido na cidade do Rio de Janeiro, entre sobreviventes.
Um outro tema alarmante foi a comunicação do aumento do número de suicídios nas plataformas da PEMEx (Petróleo Mexicana) na Penísula de Yucatan. Por falar no México, a ASULAC definiu que o Quinto Congresso Latino-Americano ocorrerá naquele país, exatamente em Yucatan.
Também na reunião de coordenação da ASULAC foram criadas algumas comissões e a Coordenaçao da REBRAPS esta como membro da Comissão de Comunicação, e como tarefa para ser concluída em 2013 a elaboração de um Manual Latino-Americano sobre Mídia e Suicídio.