SE VOCÊ PRECISA DE AJUDA ACESSE

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Os estudos das Universidades de Oxford e de Stanford

Muito oportuno o estudo que revela as influèncias de fatores sociais, tais como o desemprego provocado pelas políticas austeras que beneficiam os interesses financeiros do capital nas grandes crises econômicas européias, sobre as taxas de suicídio. E o estudo assinado pelas Universidades de Oxford e de  Stanford, por um economista político e uma epidemiologista, traz de volta ao cenário o sempre contemporâneo pensador Emile Durkheim, um dos fundadores da sociologia, e sua publicação O Suicídio. Apesar de mais de cem anos nenhum trabalho vigoroso conseguiu chegar próximo nem derrubar qualquer tese de Durkheim, que usou o suicídio como objeto de seu estudo sobre os métodos sociológicos, e a influência dos fatores sociais sobre este evento.

Algumas publicações sugerem que os temas sociais não deveriam ser considerados, mas objetivamente não conseguem contestar com novas teses, e vamos deixar de lado estas publicações.

O que acontece agora na Grécia  com aumento da taxa de suicídios provocado pelo desemprego, principalmente de jovens, e o que aconteceu na Espanha, com o aumento da taxa de suicídio entre aqueles que perderam suas casas provocado pela mesma crise é um resultado direto da influência dos fatores  sociais sobre o suicídio, e que os casos diagnosticados como depressão tiveram sua origem nestes fatores. Assumir esta hipótese exige total liberdade de pensamento, que não é o que se revela em muitas instituições nacionais e internacionais, em relação ao tema.
Portanto, o estudo merece ser muito bem avaliado pela sociedade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário